sexta-feira, 13 de abril de 2007

Mudar: Um Imperativo

A palavra de ordem em todo mundo hoje é mudar. Assim, temos testemunhado, num curtíssimo espaço de tempo, modificações profundas de toda espécie: políticas econômicas, geográficas, ideológicas e sociais, para citar algumas
Mas o que é efetivamente mudar?
Para muitos, mudar resume-se em fazer coisas que sempre fizeram, talvez com mais empenho.
Para outros mais ousado, mudar significa apresentar alguma variações em torno dos mesmos velhos temas. Mestre nesta arte tem sido, por exemplo, nossa indústria automobilística. Refazer (ou maquilar) pode ser criativo, mas ainda não é mudar.
Mudar é repensar o próprio processo de pensar!
Se você está achando difícil entender, imagine na pratica! Mudar é, via de regra, um ato indesejável, desconfortável, que quase sempre gera insegurança e apreensão. No momento atual, mudar está sendo particularmente traumático e complexo, porque está acoplado uma nova dimensão: a percepção de que mudar não é um ato que se fundamenta tão somente no saber ou no conhecer, tal qual os entendemos, mas, sobretudo, no repensar dos mesmos.
Se pensar é existir e ser, da decorre que, para pensar de outro modo, torna-se necessário sermos diferentes do que temos sido ate aqui. Pode-se-ia dizer, exagerando um pouco, que talvez seja chegada a hora de questionarmos paradigmas, estereótipos e modismos ate agora considerados intocáveis, e passarmos a adotar e exercitar, com veemência, alguns paradoxos ate há pouco inconcebíveis.
Exemplificando: quantas vezes, diante de um problema, você ja não teve a sensação de estar dando um passo a frente e dois atrás? Frustrado, só lhe restava a certeza de que, nesta toada, nunca avançaria ate chegar à solução. Ledo engano! Tente virar as costas. Descobrirá que, andando aparentemente para trás, você estará de fato, indo para frente!
Precisamente ai reside o grande obstáculo à mudança: convencer a nossa própria cabeça ( que é onde toda mudança necessariamente começa) de que ela precisa reformular alguns de seus princípios e muitos do seus valores.
É como ter que "chutar o pau da própria barraca" dentro da qual estamos! É sofrido, doido, mas imprescindível.
Por outro lado, é gratificante e pode ser ate divertido. Ao vasculharmos velhos conceitos sob um novo enfoque, percebemos a existência de perspectivas e soluções nunca imaginadas, e nos descobrimos, repentinamente, libertos de muitos preconceitos que nem sequer imaginávamos ter!
Mudar é prepararmo-nos para vencer num mundo cada vez mais competitivo e cansado de "mesmices". É contribuir para melhorar a qualidade de nossa própria vida.
Apenas isto ja seria suficiente para que mudar fosse imperativo!
Texto de Simon M. Franco

2 comentários:

Leandro Queiroz disse...

Concordo com o texto que o Dan postou, Mudar (com M maiúsculo mesmo) não é tão simples quanto trocar de roupa, ou mudar de endereço. Mudança requer estado de espirito, certeza de que é isso realmente o que vc quer.

Mas discordo com uma parte do texto em que diz que “a palavra de ordem hoje é mudar”. Ninguém muda por moda, ou pela simples necessidade de se adaptar. Na vida escolhemos nossos próprios caminhos, e só depende de nós segui-los ou mudá-los.

Mudança é estado de Graça, e uma vez feita a escolha a volta pode ser muito mais difícil. A vida é feita de escolhas, e é a partir delas que decidimos nosso futuro, contudo sempre temos que mudar algo em nossa vida para podermos ser felizes.

Objetivos, sonhos, relacionamentos, trabalho, tudo depende de certas mudanças para dar certo, não somos perfeitos e não encaixamos em tudo.

Somos peças de um enorme quebra-cabeças, e as vezes devemos mudar nossa posição para podermos encaixar nessa ilustração que é a vida!

Rsrsrs... Simples Assim...

Ana Rosa disse...

Meu mais recente post no flo fala justamente disso! Mudanças que vem...vão...numa facilidade absurda...gosto disso!

E diante do seu coment no meu blog: por isso eu disse que "Qualquer semelhança não é mera coincidência.".

Bjos amigo!

Estão espiando