terça-feira, 27 de março de 2007

Ser cool ou não ser? Eis a questão!

No mundo de hoje, os jovens como forma de se impor e aparecer diante da sociedade inventa formas de ser, vestir, falar, pensar e agir totalmente diferentes, e que mudam a cada dia.


A informação é a chave, quanto mais informado, mais inteligente o jovem se sente, mais entrosado, mais na moda. Uma cultura que se renova todos os dias, basta que uma banda com um som novo apareça, num estalar de dedos o jovem se transforma.


O cabelo que no dia anterior era moicano, hoje já é tão liso quanto cabelo de índio, e amanhã aparece de rastafare... Loucura total!


É com tanta velocidade que a informação chega na cabeça dos jovens, que a maioria não consegue absorver tanta coisa, e se estressam, e alguns entram até em depressão.


O mais engraçado é que, até se vc estiver deprimido está na moda.


Um som diferente, uma roupa diferente, estar por dentro da tecnologia, da música então nem se fala, Jazz, Soul, Punk Rock, Alternative, cena Indie. Na literatura também, como japonesa (mangás por exemplo), histórias em quadrinhos (todos os super-heróis), faz ser o jovem uma pessoa Cool.


São viciados em seriados da Tv americana. Idolatram ídolos passados (década de 70 e 80).


Hoje, vindo para o trabalho, estava ouvindo o Programa Sintonia Fina, da Rádio Guarani, quando falaram de uma Banda californiana "The Softlightes", um som bacana, tranquilo, roquizinho dos anos 70 com letra atual, estorou na cena indie amaricana. Mas o que me chamou a atenção foi o nome do albúm e da música, Say no: to being cool, Say yes: to being happy, ou seja diga não a ser cool, diga sim a ser feliz.


A contradição entra em cena, como o mercado está lotado de bandas com som moderno e bacana, todo mundo é indie, é cool, mas será que ser isso tudo faz bem pra você, você é feliz?


Com essa chamada a banda californiana se destacou na cena indie, e chamou a atenção dos jovens americanos.


Concluindo, será que vale a pena toda essa depressão, incertezas, baixo auto-estima, para ser uma pessoa "COOL".


Bom... como meus amigos já sabem, prefiro ser feliz, mas nem por isso deixo de gostar de uma música boa, ou de me vestir bem.


Deixo uma dica: Seja você mesmo, goste daquilo que te faz bem, não seja bobo e entre na onda de que gostar de certa banda vai te fazer entrar praquele grupo de jovens bacana, de que se vc vestir todo de preto vai ganhar o respeito de seus amigos. E não se mate de estudar pra se mostrar culto e ganhar a atenção das pessoas.


Se respeite em primeiro lugar, goste de si mesmo, sinta-se bem com vc, só assim vc adquire respeito e admiração das outros.


Quer ser cool, que seja então! Mas não abra mão de ser feliz!


Mas falando da banda californiana, o som até que é bacana, entâo vou deixar o link do myspace, ouçam e divirtam-se!


Say no: to being cool - Say yes: to being happy

www.myspace.com/thesoftlightes

3 comentários:

Ana Rosa disse...

Oi amore!

Impressionante, bom saber que os pensamentos estão conectados de alguma forma.

Adorei seu texto, ainda não houvi a música, mas fiquei curiosa, ouvirei mais tarde!

Não é preciso ser nada mais do que feliz, adoro-te assim!

Saudades imensas dessa pessoa linda!

Nayara disse...

Arrasoooou!

Concordo plenamente com você. A cada dia mais as pessoas deixam de ser elas mesmas para aparentar ser outra coisa. O que se ganha assim? Ser aceito numa sociedade por ser alguém que você não é, é realmente ser aceito??

O importante são valorizar as cabeças que ainda pensam para que elas possam ajudar as que estão perdidas, né, beibo??

Um beijo!!

Anônimo disse...

putz discordo de vc
ser cool
eh para alguns que tem um estilo
mais do que estilo uma aurea
imitar nao eh ser cool

vc falou ae em modinha
mudar tipo de cabelo e pah
isto eh modinha

um cara pode ser rasta há um bom tempo sem ter uma alma cool
e nao esta na moda, tah na onda dele

agora existe um outro tipo

o ecletico
nem por isso precisa querer ficar mudando

já depressão vai alem de estilinho meu jovem
te digo com toda a verdade

grande abraço

Estão espiando